57 – Doenças do verão -(convidado)

Doenças do verão


No verão ocorre um aumento de incidências de doenças intestinais relacionadas a ingestão de água ou alimentos contaminados,
de dermatoses ou doenças de pele e das doenças transmitidas por insetos e ratos. Sendo assim, as principais patologias relacionadas
ao período do verão estão descritas neste texto, para alerta em relação ao diagnóstico e profilaxia.

1-Doenças transmitidas por alimentos ou água contaminados


No verão são comuns as diarréias ocasionadas por água ou alimentos contaminados por microorganismos. Podem ser
provocadas por diversos microorganismos entre eles vírus, bactérias, protozoários e vermes e podem diferir nos sintomas e na
rapidez da evolução. As infecções mais comuns são:


§ A Hepatite A é provocada por um vírus de maior incidência no verão. Nesta época do ano, há grandes aglomerações de
pessoas em locais com saneamento básico inadequado e água não tratada, o vírus é facilmente transmitido. A transmissão
é feita pela alimentação e pela água e é muito comum em crianças. Embora a vacina não esteja disponível na rede pública, é
possível adquiri-la em clínicas particulares.
§ Infecção por Staphylococcus: Sintomas como náuseas e vômitos são os principais e podem estar associados a diarréia, dor
abdominal e mal-estar que pode ocorrer após 1 a 6 h após a ingestão do alimento contaminado.
§ Infecção por outras bactérias como Salmonella ocorrem entre 12 a 74 h após a ingestão do alimento contaminado e cursam
com diarréia como sintoma predominante, febre, calafrios e até podem parecer apendicite aguda e ser graves.
§ Infecções por giárdia, ameba e vermes podem levar a diarréia crônica com duração até 6 meses.
Prevenção e cuidados
Cuidados com peixes, carnes e outros devem ser redobrados – eles precisam estar sempre frescos e, de preferência, serem
preparados na hora em que serão consumidos. Se está indo para lugares em que a infra-estrutura sanitária adequada, evite
beber água sem que seja fervida ou frutas e vegetais lavados em águas não tratadas. Os cubos de gelo devem ser feitos a partir
de água fervida, também. Evite água ou gelo de fontes não conhecidas mesmo consideradas fontes naturais, prefira os
engarrafados.


II- Dermatoses do verão
As doenças de pele mais comuns e sua prevenção são:
§ Bicho geográfico: as fezes de cães e gatos depositadas na areia da praia contêm a larva do bicho geográfico que provoca uns
caminhos avermelhados e em relevo sob a pele humana, além de muita coceira. Use chinelos e não se sente ou deite
diretamente na areia.
§ Frieiras: é uma descamação úmida entre os dedos dos pés e é causada por um fungo, cujo contágio se dá, normalmente, no
chão molhado dos vestiários e na água acumulada ao redor das piscinas. Evite-as, usando sempre chinelos ou sapatos
abertos e mantendo os pés secos.
§ Micose: também é causada por um fungo que normalmente já está presente na pele e se reproduz mais rápido pelo ambiente
quente e úmido do verão. Para evitar aquelas manchas esbranquiçadas que aparecem principalmente nos braços, costas e
pescoço, seque bem o corpo após o banho e procure usar roupas leves, de linho ou algodão, pois elas não retêm o suor.
§ Pé-de-atleta: o contágio se dá da mesma forma que nas frieiras: em ambientes úmidos e quentes e pelo suor nos pés,
provocado pelo uso de calçados fechados. Evita-se, também, da mesma forma: mantendo-se os pés secos e procurando
mantê-los arejados, através do uso de calçados abertos

.
III- Doenças transmitidas por mosquitos e ratos.
A chegada do verão e das chuvas aumenta o risco de contágio de doenças como leptospirose, dengue, febre amarela e malária.
Nesta época do ano, devido ao calor intenso e o acúmulo de água, há maior proliferação dos mosquitos causadores da dengue,
febre amarela e malária.
A dengue é uma das mais conhecidas ‘doenças de verão’. Ela é transmitida por um mosquito – o Aedes aegypti, que transporta o
vírus. Quem é picado pelo inseto pode sentir febre alta, dores de cabeça, nos músculos e nas articulações, além de perder o apetite,
ter náuseas e apresentar manchas vermelhas por todo o corpo. A prevenção é importante para o controle da doença e não
devemos esquecer de verificar se a caixa d’água está bem fechada, colocar areia nos pratos de plantas e não deixar acumular água
em pneus, garrafas e calhas.
Outra doença é a leptospirose, transmitida através do contato com a urina infectada de ratos, principalmente na época da
chuvas e enchentes. Deve-se evitar o contato com água de enchentes e chuvas com a utilização de botas.
A vacinação para febre amarela é uma medida preventiva adicional importante no controle desta doença, indicada para os
pacientes que pretendem viajar para áreas de risco.
Concluindo a informação e a prevenção deve ser uma iniciativa de todos nós no sentido de controlar as doenças em todas as
épocas do ano.
Dra. Graziella M. Pereira -

 

 

 

Walid Haddad – arquiteto.
Material usado, quando exerceu a função de Presidente da CIPA da CTEEP – Cia. de Transmissão de Energia Elétrica Paulista.
Colaboração dos H.9 de julho e Sírio Libanês, Instituto Fleury entre outros…

Sobre mara

Psicoterapeuta Clínica, sócia e membro da Clínica Psicológica M&C
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a 57 – Doenças do verão -(convidado)

  1. marcia disse:

    Adorei o artigo.
    abço
    marcia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*